quarta-feira, 5 de julho de 2017

SESSÃO SAUDADE - NONÔ BASÍLIO

Ele foi cantor e compositor de música sertaneja de raiz, destacando-se mais no trabalho de criação musical.
Nosso homenageado da semana é Nonô Basílio.



Como cantor, participou de alguns trios e compôs com a esposa a dupla Nonô e Naná, que teve sucessos marcantes como Uma Casa de Caboclo, Indo para Goiás e Judiaria, dentre outros.
Para maiores informações sobre a dupla, favor acessar: http://dicionariompb.com.br/nono-e-nana.



Como compositor, teve músicas gravadas por cantores de sucesso como Tonico e Tonico, Duo Ciriema, Irmãs Galvão e Chitãozinho e Xororó, dentre outros.
Obrigado, Nonô Basílio, por enriquecer nosso cancioneiro com tantas composições marcantes!
Descanse em paz!
Se desejar saber mais sobre esse artista, favor acessar: http://dicionariompb.com.br/nono-basilio.
Com o objetivo de homenageá-lo, apresentamos abaixo dois vídeos. No primeiro, veremos a atuação do homenageado como cantor, interpretando a canção Uma Casa de Caboclo, em parceria com a esposa Naná. Em seguida, apresentaremos uma de suas composições inesquecíveis, Mágoa de Boiadeiro, na voz dos lendários Pedro Bento e Zé da Estrada.

PRIMEIRO VÍDEO

video


LETRA

UMA CASA DE CABOCLO

Compositor: Nonô

A minha casa que é casa de caboclo
Não tem conforto como outras casas tem
O que eu tenho realmente é muito pouco
Mas felizmente dá pra mim e mais alguém

Graças à Deus é uma casa abençoada
Na minha mesa sempre tem o que comer
E por ventura se alguém pedir pousada
Esteja certo que eu hospedo com prazer

Eu não invejo quem tem casa mais bonita
Nem menosprezo um ranchinho beira-chão
O que importa é achar em casa rica
Ou num casebre, um bondoso coração

E quem procura uma casa de caboclo
Não é preciso ficar rouco de chamar
É o bastante dar sinal que está chegando
Já vem alguém e vai mandando a gente entrar

Quem não conhece uma casa de caboclo
Não faça pouco, vá lá em casa passear
Um cafézinho com bolinhos não demora
Conforme a hora também fica pra jantar

Casinha simples encostada ao pé da serra
Se é amigo não repara onde eu moro
Vá ver de perto o meu céu aqui na Terra
E conhecer as criancinhas que eu adoro
Vá ver de perto o meu céu aqui na Terra
E conhecer as criancinhas que eu adoro


SEGUNDO VÍDEO

video


LETRA

MÁGOA DE BOIADEIRO

Composição: Índio Vago / Nonô Basílio

Antigamente nem em sonho existia
Tantas pontes sobre os rios
Nem asfalto nas estradas
A gente usava quatro ou cinco sinuelos
Pra trazer o pantaneiro no rodeio da boiada
Mas hoje em dia tudo é muito diferente
Com o progresso nossa gente nem sequer faz uma ideia
Que entre outros fui peão de boiadeiro
Por este chão brasileiro os heróis da epopeia

Tenho saudade de rever nas currutelas
As mocinhas nas janelas acenando uma flor
Por tudo isso eu lamento e confesso
Que a marcha do progresso é a minha grande dor
Cada jamanta que eu vejo carregada
Transportando uma boiada me aperta o coração
E quando olho minha traia pendurada
De tristeza dou risada pra não chorar de paixão

O meu cavalo relinchando pasto a fora
Que por certo também chora na mais triste solidão
Meu par de esporas meu chapéu de aba larga
Uma bruaca de carga um berrante um facão
O velho basto o sinete e o apero
O meu laço e o cargueiro o meu lenço e o gibão
Ainda resta a guaiaca sem dinheiro
Deste pobre boiadeiro que perdeu a profissão

Não sou poeta, sou apenas um caipira
E o tema que me inspira é a fibra de peão
Quase chorando imbuído nesta mágoa
Rabisquei estas palavras e saiu esta canção
Canção que fala da saudade das pousadas
Que já fiz com a peonada junto ao fogo de um galpão
Saudade louca de ouvir o som manhoso
De um berrante preguiçoso nos confins do meu sertão

2 comentários:

  1. Muito lindo, não tem como o sertanejo raiz!

    ResponderExcluir
  2. Não lembrava de Nonô Basílio, gostei de conhecer. Merecida homenagem!

    ResponderExcluir