quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

SESSÃO SAUDADE - SIVUCA

A homenagem de hoje vai para um artista de múltiplos talentos, pois era compositor, instrumentista e cantor. Trata-se do “galego” Sivuca.


Fonte: http://farm3.static.flickr.com/2564/4193550698_1e4dc4ef03.jpg

Nosso homenageado transitou por muitos ritmos, desde os nordestinos até o blues e o jazz, tudo com muita competência.
Obrigado, Sivuca, por ter nos legado seu talento!
Descanse em paz!
Para maiores informações sobre esse artista, favor acessar: http://dicionariompb.com.br/sivuca/biografia.
Com o objetivo de homenageá-lo, apresentamos abaixo dois de seus sucessos, interpretados pelo próprio autor: Feira de Mangaio e João e Maria. Detalhe: a segunda interpretação é feita em parceria com sua esposa, Glorinha Gadelha.

PRIMEIRO VÍDEO

video


LETRA

FEIRA DE MANGAIO

Fumo de rolo, arreio de cangalha
Eu tenho pra vender, quem quer comprar
Bolo de milho, broa e cocada
Eu tenho pra vender, quem quer comprar
Pé de moleque, alecrim, canela
Moleque sai daqui me deixa trabalhar
E Zé saiu correndo pra feira dos pássaros
E foi pássaro voando pra todo lugar
Tinha uma vendinha no canto da rua, onde o mangaieiro ia se animar
Tomar uma bicada com lambú assado, e olhar pra Maria do Joá
Tinha uma vendinha no canto da rua, onde o mangaieiro ia se animar
Tomar uma bicada com lambú assado, e olhar pra Maria do Joá
Cabresto de cavalo e rabichola
Eu tenho pra vender, quem quer comprar
Farinha, rapadura e graviola
Eu tenho pra vender, quem quer comprar
Pavio de candeeiro, panela de barro
Menino vou me embora, tenho que voltar
Xaxar o meu roçado que nem boi de carro
Alpargata de arrasto não quer me levar
Porque tem um Sanfoneiro no canto da rua, fazendo floreio pra gente dançar
Tem Zefa de Purcina fazendo renda, e o ronco do fole sem parar
Porque tem um Sanfoneiro no canto da rua, fazendo floreio pra gente dançar
Tem Zefa de Purcina fazendo renda, e o ronco do fole sem parar


SEGUNDO VÍDEO

video


LETRA

JOÃO E MARIA

Agora eu era herói
E o meu cavalo só falava inglês
A noiva do cowboy
Era você além das outras três
Eu enfrentava os batalhões
Os alemães e seus canhões
Guardava o meu bodoque
Ensaiava um rock para as matinês

Agora eu era o rei
Era o bedel e era também juiz
E pela minha lei
A gente era obrigado a ser feliz
E você era a princesa que fiz coroar
Era tão linda de se admirar
Que andava nua pelo meu país

Não, não fuja não
Finja que agora eu era o seu brinquedo
Eu era o seu peão
Seu bicho preferido

Vem me dê a mão
A gente agora já não tinha medo
No tempo da maldade acho que a gente nem tinha nascido

Agora era fatal
Que faz de conta terminasse assim
Pra lá deste quintal
Era uma noite que não tem mais fim
Pois você
Sumiu no mundo sem me avisar
E agora eu era um louco a perguntar
O que é que a vida vai fazer de mim

2 comentários:

  1. Conhecia essas canções nas vozes de outros artistas, não com Sivuca e Glorinha Gadelha. Lindo, amei ouvir! Merecida homenagem!

    ResponderExcluir