quarta-feira, 15 de junho de 2016

SESSÃO SAUDADE - LAMARTINE BABO

Muitas vezes, gostamos de uma música e quando falamos dela, recordamos de seu intérprete, mas nem sempre de seu compositor.
A MPB está recheada de grandes compositores como nosso homenageado dessa semana: Lamartine Babo.



Autor de maravilhosas melodias sentimentais, além de hinos de alguns clubes cariocas, ele destacou-se também através de suas marchinhas carnavalescas em que predominavam a irreverência e o humor refinado.
Grato, Lamartine Babo, por sua contribuição valiosa para a história da MPB!
Descanse em paz!
Para maiores informações sobre esse artista, favor acessar: http://dicionariompb.com.br/lamartine-babo/biografia.
Com o objetivo de homenageá-lo, reproduzimos abaixo dois de seus sucessos. O primeiro é a romântica Eu Sonhei que Tu Estavas tão Linda, composição da década de 40, em interpretação de Carlos Galhardo. A segunda é a conhecida marchinha carnavalesca O Teu Cabelo Não Nega (1955), na interpretação de Castro Barbosa.

PRIMEIRO VÍDEO

video


LETRA

EU SONHEI QUE TU ESTAVAS TÃO LINDA

Eu sonhei que tu estavas tão linda
Numa festa de raro esplendor,
Teu vestido de baile, lembro ainda,
Era branco, todo branco, meu amor
A orquestra tocou umas valsas dolentes,
Tomei-te aos braços, fomos dançando, ambos silentes.
E os pares que rodeavam entre nós,
Diziam coisas, trocavam juras a meia voz

Violinos enchiam o ar de emoção
De mil desejos uma centena de corações
P'ra despertar teu ciúme, tentei flertar alguém,
Mas tu não flertaste ninguém
Olhavas só para mim,
Vitórias de amor cantei,
Mas foi tudo um sonho
Acordei


SEGUNDO VÍDEO

video


LETRA

O TEU CABELO NÃO NEGA

O teu cabelo não nega, mulata
Porque és mulata na cor
Mas como a cor não pega, mulata
Mulata, eu quero o teu amor

O teu cabelo não nega, mulata
Porque és mulata na cor
Mas como a cor não pega, mulata
Mulata, eu quero o teu amor

Tens um sabor bem do Brasil
Tens a alma cor de anil
Mulata, mulatinha, meu amor
Fui nomeado teu tenente-interventor

O teu cabelo não nega, mulata
Porque és mulata na cor
Mas como a cor não pega, mulata
Mulata, eu quero o teu amor

Quem te inventou, meu pancadão
Teve uma consagração
A lua te invejando faz careta
Porque, mulata, tu não és deste planeta

Quando, meu bem, vieste à Terra
Portugal declarou guerra
A concorrência, então, foi colossal
Vasco da Gama contra o batalhão naval


Um comentário:

  1. Conhecia bem essas canções, pois meus pais as ouviam. Mas, não sabia quem era o compositor, fiquei sabendo aqui. Gostei muito dessa Sessão Saudade. Merecida homenagem!

    ResponderExcluir